logoNotabile220x400px

O Terraço

3c5517887c3e5b87770aa7c43de0c30855527d65-2A peça de Jean-Claude Carrière traduzida por Henrique Benjamin. Com direção de Alexandre Reinecke, a montagem tem no elenco Vera Zimmermann (que interpretou Conceição no ‘remake’ da novela “Gabriela” da Globo), Ilana Kaplan, Marat Descartes, Marco Antônio Pâmio, Henrique Stroeter, Flávia Teixeira e Hugo Coelho.

“O Terraço”, cuja história se passa na França: A mulher, Madeleine (Vera Zimmermann) surpreende o marido Etiènne (Marco Antônio Pâmio) com a notícia da separação e avisa que o apartamento será alugado. Tendo como atrativo um ensolarado e misterioso terraço, o imóvel passa a ser visitado por possíveis locatários, intermediados por uma habilidosa corretora. Os complexos e engraçados visitantes causam empatia e divertem por suas acentuadas características. A Corretora (Ilana Kaplan) esbanja desenvoltura e muita carência. O Sr. Astruc (Marat Descartes) é o que chamamos de folgado e espaçoso, trambiqueiro em busca da sobrevivência. O marido, Etiènne deixa-se levar pelas circunstâncias com uma mistura de sarcasmo e indiferença. Maurice (Henrique Stroeter) é a passionalidade levada à quinta potência. E o casal Dalloz (Hugo Coelho e Flávia Teixeira) é formado por um General cego e por uma mulher que tenta matá-lo sem sucesso. Dois personagens caem do terraço e não sofrem absolutamente nada: o General é empurrado e, milagrosamente, sobrevive; Maurice se joga num ato de paixão, mas o sacrifício é em vão.

Entre as ‘loucuras’ presentes no espetáculo está o fato das pessoas que caem – ou se atiram – do terraço, o grande atrativo do apartamento, não morrerem. Mas as interpretações em si são o mais importante: “Eles são personagens bizarros, surrealistas, engraçados, carentes e sempre extremos”, diz Pâmio.

Na narrativa, o real e o surreal estão sempre se contrapondo, através do casal comum à beira da separação e dos outros personagens com características típicas da sociedade, mas em doses sempre exageradas. “Nenhum personagem que entra nesse apartamento é normal como esse casal. Então tem possíveis suicidas, homens passionais... E com o desenvolver do espetáculo esses personagens começam a interferir na vida do casal”, conta Vera.